> Arte e Educação: Janeiro 2010

Obrigada por seguir...

26 de janeiro de 2010

Estresse: o inimigo número 1 do professor.

Na hora do café, na sala dos professores, o assunto se repete. O desafio de todo mundo é dar conta de tantas responsabilidades na escola, em casa e nos estudos.
Mesmo com a vida cada vez mais difícil, é possível não cair num mar de desânimo e administrar bem o estresse. Na medida certa, acredite, essa reação do organismo é necessária para ajudar você a enfrentar situações de desafio ou emoções muito fortes.
Em excesso, no entanto, pode tirar todo o seu pique e abrir as portas do organismo para doenças. Um dos maiores desafios dos dias de hoje é justamente conseguir equilibrar o trabalho e as emoções sem se deixar dominar pelo estresse. Estudos internacionais comprovam que ele é um dos principais fatores de afastamento do trabalho e de queda do rendimento profissional.
Em 2003, um terço dos professores na Grã-Bretanha abandonaram temporariamente seus alunos por estarem estressados, angustiados ou deprimidos, de acordo com um estudo do Schools Advisory Service. No Brasil, pesquisa realizada pela Universidade de Brasília e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação com professores do Rio de Janeiro aponta que 30% sofrem de exaustão emocional.
Você está na sua lista de prioridades?
O planejamento do ano letivo e dos projetos pessoais para 2005 dizem muito sobre os riscos de se tornar vítima do estresse. Você pensou nos materiais que vai pedir à direção, em novas atividades e projetos, nas leituras essenciais para se atualizar, nos assuntos para discutir com os pais e nas reuniões de trabalho, em métodos de avaliação, nas contas que tem para pagar, no tempinho que vai reservar para seus filhos... E você, onde entra nessa história?
Para Maria de Lourdes Magalhães, pedagoga especializada em saúde coletiva, de Brasília, quem se cuida tem um desempenho melhor em sala de aula. Isso inclui fazer o que gosta, curtir a família e os amigos, se distrair com uma boa leitura, praticar exercícios físicos e se alimentar bem. "O estresse é contagioso", brinca a pedagoga. "Um professor desanimado é capaz de desanimar a turma inteira." Um exemplo: em uma aula de Ciências, você dificilmente conseguirá passar aos alunos a importância de cuidar do corpo, de comer alimentos saudáveis e de se relacionar bem com os pais e amigos, se tiver o rosto cansado e for o retrato do desânimo. Maria de Lourdes vai mais longe. Ela defende que o autocuidado se torne disciplina nos cursos de formação docente e alerta para a necessidade de políticas públicas voltadas para a saúde dos professores. É certo que suas obrigações e preocupações não vão desaparecer do dia para a noite. Portanto, além de torcer para que os pais colaborem na educação das crianças, de reivindicar mais infra-estrutura da direção e lutar para ter seu trabalho reconhecido, reserve um espaço para você. "Não podemos deixar o prazer e o descanso em último plano. É preciso equilibrar obrigações e prazer", afirma Marilda Lipp, pesquisadora do Centro Psicológico de Controle do Stress, em Campinas (SP).
O poder dos exercícios e dos alimentos saudáveis
Cada ser humano tem uma resistência ao estresse e diferentes possibilidades de enfrentá-lo. Os tímidos, ansiosos e apressados são os que correm mais perigo. A professora de Educação Infantil Erika Ziegelmeyer Barbosa, da Escola Sá Pereira, no Rio de Janeiro, era muito impaciente e sentia fortes dores lombares. Antes que os sintomas aumentassem, ela encontrou um escape nos movimentos do tai chi chuan, técnica de arte marcial chinesa. "Não há comparação entre o que era e o que sou. Os exercícios regulam minha concentração e a respiração. Sou mais calma e não luto contra o tempo", diz a professora, que pratica os exercícios três vezes por semana, pela manhã.
Os médicos são unânimes: a regularidade da atividade física contribui para a sensação de bem-estar porque o organismo libera endorfina, reforçando a capacidade de combater o estresse. Não há uma única receita para todas as pessoas. Porém, ao lado dos exercícios regulares, outro fator importante na prevenção ao estresse é uma dieta saudável - e isso significa comer na hora certa muitos legumes, frutas e verduras. "O ideal é ter sempre algo saudável à mão, como biscoitos sem recheio, frutas e barras de cereais", explica a nutricionista Camila Andrade Pereira, de São Paulo. Outro conselho importante: sucos e chás são as melhores bebidas para tomar nos intervalos das aulas e na hora do lanche - evite o chá-mate e o preto, pois contêm cafeína. Portanto, no próximo bate-papo na sala dos professores, que tal dispensar o cafezinho?

Fonte: http://www.novaescola.org.br/

24 de janeiro de 2010

Para reunião de pais







Amei! Tava visitando o blog da Ivanise e achei super legal..quando puder visitem!

Sou educadora!

Quando digo que sou educadora de infância em geral, respondem com um “Ah” tão insípido, que gostaria de dizer:
Em que outra profissão poderias pôr laços no cabelo, fazer penteados inovadores e ver um desfile de moda todas as manhãs? Onde te diriam todos os dias “És linda”?!!!
Em que outro trabalho te abraçariam para te dizerem o quanto te querem?
Em que outro lado te esquecerias das tuas tristezas para atender a tanto joelho esfolado, e coração afligido?Onde receberias mais flores?Onde mais poderias iniciar na escrita,uma mãozinha que, quem sabe, um dia poderá escrever um livro.
Em que outro lugar receberias de presente um sorriso como este?
Em que outro lugar te fariam um retrato grátis através de um desenho?
Em que outro lugar as tuas palavras causariam tanta admiração?
Em que trabalho te receberiam de braços abertos depois de teres faltado um dia?Onde poderias aprofundar os teus conhecimentos sobre bichos da seda, caracóis, formigas e borboletas?
Em que outro lugar derramarias lágrimas por ter que terminar um ano de relações tão felizes?
Sinto-me GRANDETrabalhando com pequenos!
A todos os educadores de infância, que tanto semeiam para que outros recolham;
A todos os que escolheram esta profissão…
Obrigada!
Autor desconhecido

Recebi esta mensagem na primeira reunião do ano...Amei.

Uma história enrolada...


A história de hoje é bem legal:Hisória enrolada de Evelyn Heinea
Para ler a história imprima e vá virando a folha.

Crianças precisam de limites que a protejam...

DAR LIMITES É:
-Ensinar que os direitos são iguais para todos.
-Ensinar que existem OUTRAS pessoas no mundo.
-Fazer a criança compreender que seus direitos acabam onde começam os direitos dos outros.
-Dizer "sim" sempre que possível e "não" sempre que necessário.
-Só dizer "não" aos filhos quando houver uma razão concreta.
-Mostrar que muitas coisas podem ser feitas e outras não podem ser feitas.
-Fazer a criança ver o mundo com uma conotação social (con-viver) e não apenas psicológica (o meu desejo e o meu prazer são as única coisas que contam).
-Ensinar a tolerar pequenas frustrações no presente para que, no futuro, os problemas da vida possam ser superados com equilíbrio e maturidade (a criança que hoje aprendeu a esperar sua vez de ser servida à mesa amanhã não considerará um insulto pessoal esperar a vez na fila do cinema ou aguardar três ou quatro dias até que o chefe dê um parecer sobre sua promoção).
-Desenvolver a capacidade de adiar satisfação (se não conseguir emprego hoje, continuará a lutar sem desistir ou, caso não tenha desenvolvido esta habilidade, agirá de forma insensata ou desequilibrada, partindo, por exemplo, para a marginalidade, o alcoolismo ou a depressão).
-Evitar que seu filho cresça achando que todos no mundo têm de satisfazer seus mínimos desejos e, se tal não ocorrer (o que é mais provável), não conseguir lidar bem com a menor contrariedade, tornando-se, aí sim, frustrado, amargo ou, pior, desequilibrado emocionalmente.
-Saber discernir entre o que é uma necessidade dos filhos e o que é apenas desejo.
-Compreender que direito à privacidade não significa falta de cuidado, descaso, falta de acompanhamento e supervisão às atividades e atitudes dos filhos, dentro e fora de casa.
-Ensinar que a cada direito corresponde um dever e, principalmente:Dar exemplo! Quem quer ter filhos que respeitem a lei e os homens tem de viver seu dia-a-dia dentro desses mesmos princípios, ainda que a sociedade tenha poucos indivíduos que agem dessa forma.

DAR LIMITES NÃO É:
-Bater nos filhos para que eles se comportem.
-Quando se fala em limites, muitas pessoas pensam que significa aprovação para dar palmadinhas, bater ou até espancar.
-Fazer só o que vocês, pai ou mãe, querem ou estão com vontade fazer.
-Ser autoritário, dar ordens sem explicar o porquê, agir de acordo apenas com seu próprio interesse, da forma que lhe aprouver, mesmo que a cada dia sua vontade seja inteiramente oposta à do outro dia, por exemplo.
-Deixar de explicar o porquê das coisas, apenas impondo a "lei do mais forte".
-Gritar com as crianças para ser atendido.
-Deixar de atender às necessidades reais (fome, sede, segurança, afeto, interesse) dos filhos, porque você hoje está cansado.
-Invadir a privacidade a que todo ser humano tem direito.
-Provocar traumas emocionais, humilhações e desrespeito à criança. -Toda criança tem capacidade de compreender um "não" sem ficar com problemas, desde que, evidentemente, este "não" tenha razão de ser e não seja acompanhado de agressões físicas ou morais.
-O que provoca traumas e problemas emocionais é, em primeiro lugar, a falta de amor e carinho, seguida de injustiça, violência física.
-Bater nos filhos é uma forma comum de violência física, que, em geral, começa com a palmadinha leve no bumbum.
Texto extraído livro Limites Sem Trauma (Construindo Cidadãos), de Tânia Zagury.

Momento de reflexão


"Brincar com crianças não é perder tempo, é ganhá-lo.

Se é triste ver meninos sem escola,mais triste é ve-los sentados, enfileirados...

Em salas sem ar com exercícios estéreis sem valor para a formação do homem cidadão. "

Carlos Drummond de Andrade

23 de janeiro de 2010

Como é importante nós, pais e professores saber contar histórias...


Ler histórias para crianças é poder sorrir, rir, gargalhar com as situações vividas pelas personagens, é suscitar o imaginário, é ter curiosidade respondida em relação a tantas perguntas, é encontrar idéias para solucionar questões. É uma possibilidades de descobrir o mundo imenso dos conflitos, dos impasses, das soluções que todos vivemos e atravessamos.É ouvindo histórias que se pode sentir emoções importantes como a tristeza, o pavor, a insegurança, a tranqüilidade e tantas outras mais.
Dicas legais para transmitir à criança uma visão clara do que se está lendo:
*Mostrar o livro para a criança, através da exposição das gravuras;
* Ler de forma liberal, porém clara e agradável, atraindo a atenção da criança;
* Manter-se aberto para as perguntas das crianças, incentivando a troca de comentários sobre o texto lido.
A escolha dos livros deve ter alguns princípios básicos que possam garantir a eficiência do trabalho pedagógico, ou seja:
* qualidade de criação;
*estrutura da narrativa;
*adequação às convenções do português escrito;
*despertar o interesse da criança
*simplicidade do texto.
Sabe porquê é importante contar histórias para as crianças?
*Desenvolve a imaginação;
*Desenvolve o poder da observação;
*Amplia as experiências;
*Desenvolve o gosto artístico;
*Estabelece uma ligação interna entre o mundo da fantasia e o da realidade.
*Enriquece a experiência;
*Desenvolvema capacidade de dar seqüência lógica aos fatos;
*Esclarece o pensamento;
*Educa a atenção;
*Desenvolve o gosto literário;
*Fixa e amplia o vocabulário;
*Estimula o interesse pela leitura;
*Desenvolve a linguagem oral e escrita.
Você quer saber os segredos de um contador de histórias?
*Curta a história;
*Evite adaptações;
*Não explique demais;
*A história e um ponto de encontro;
*A história é um ponto de partida;
*Moral da história;
*Comentar a história;
*Dar modalidades e possibilidades da voz.
Contar histórias é uma arte. Deve dar prazer a quem conta e ao ouvinte. As histórias têm finalidade em si. Contadas ou lidas constituem sempre uma fonte de alegria e encantamento.
Saiba mais :
http://www.botucatu.sp.gov.br/Eventos/2007/contHistorias/artigos/AImport%C3%A2nciaSaberContarHistoriasEducacaoInfantil.pdf

Agora a dica é para você professor!

OS DEZ MANDAMENTOS PARA BEM PLANEJAR!

1) ESQUEÇA A BUROCRACIA Antes o Plano vinha pronto, em pacotes. Hoje quem leciona tem espaço para criar!

2) CONHEÇA BEM DE PERTO O SEU ALUNO Pergunte-se sempre: “O que meu aluno deve e pode aprender?”.

3) FAÇA TUDO OUTRA VEZ (E MAIS OUTRA)O planejamento deve ser sempre alterado, de acordo com as necessidades da turma.

4) ESTUDE PARA ENSINAR BEM Uma pessoa só pode ensinar aquilo que sabe, porém é preciso, também, saber como ensinar.

5) COLOQUE-SE NO LUGAR DO ESTUDANTEVocê deve saber se os temas trabalhados em sala são importantes do ponto de vista do aluno.

6) DEFINA O QUE É MAIS IMPORTANTE Os critérios para estabelecer o que é mais importante ensinar devem ser as necessidades dos alunos.

7) PESQUISE EM VÁRIAS FONTES Toda aula requer material de apoio. Busque informações em livros, em revistas, na Internet...

8) USE DIFERENTES MÉTODOS DE TRABALHO Métodos como: aulas expositivas, atividades em grupo e pesquisas são excelentes aliados!

9) CONVERSE E PEÇA AJUDA Converse com os colegas! Aproveite as reuniões!

10) ESCREVA, ESCREVA, ESCREVA Compre um caderno e anote, no fim do dia, tudo o que você fêz em classe. Esta é uma forma de você analisar o que está ou não dando certo em seu trabalho!

Quer saber mais?

http://paginas.terra.com.br/arte/raiodeluar2004/Planejar%20o%20caminho%20para%20a%20boa%20aula.htm






Gostaram também? Estes trabalhos são confeccionados pela minha amiga Vitória Valéria...São tão fofos, neh?

21 de janeiro de 2010

Novas regras do acordo ortográfico

Veja o que muda com o novo acordo ortográfico:
Novo Acordo ortográfico
*Alfabeto
O alfabeto brasileiro passa a ter 26 letras, em vez de 23.Foram incluídas k, w e y, usadas principalmente em siglas e palavras originárias de outras línguas.
*Trema
O trema foi abolido de todas as palavras da língua portuguesa. Essa marcação servia, originalmente, para destacar a pronúncia do u nas combinações que, qui, gue e gui.A partir de agora, portanto, escreve-se aguentar, alcaguetar, ambiguidade, bilíngue, cinquenta, consequência, eloquente, enxágue, equestre, frequentar, linguiça, linguística, pinguim, sequestro, tranquilo, ubiquidade, etc.Porém, o trema é mantido em nomes próprios estrangeiros e suas derivações, como Bündchen, Schönberg, Müller e mülleriano, por exemplo.
*Acento Diferencial
É o acento usado para diferenciar duas palavras de significado diferente mas escritas da mesma forma. Ele deixa de existir nos seguintes casos:Para (verbo), que se diferenciava da preposição para;Pelo (substantivo), que se diferenciava da preposição pelo;Polo (substantivo), que se diferenciava da preposição polo;Pera (substantivo), que se diferenciava da preposição pera.Há as seguintes exceções:Pôde (verbo poder no passado) conserva o acento para se distinguir de pode (verbo poder no presente);Pôr (verbo) conserva o acento para se distinguir de por (preposição).Uso facultativo nos casos:Dêmos (do verbo no subjuntivo que nós dêmos) para se diferenciar de demos (do passado nós demos);Fôrma (substantivo) para se diferenciar de forma (verbo).
*Ditongo aberto
Ditongo é o encontro de duas vogais pronunciadas em uma só sílaba.O acento agudo foi eliminado nos ditongos abertos das palavras paroxítonas, como alcaloide, assembleia, boleia, epopeia, ideia, jiboia, paleozoico, paranoia, onomatopeia.As palavras oxítonas terminadas em éi, éu e ói continuam acentuadas: chapéu, herói, corrói, remói, céu, véu, lençóis, anéis, fiéis, papéis, Ilhéus.
*Hiato
Os hiatos são sequências de vogais que pertencem a sílabas diferentes.Foram eliminados os acentos circunflexos nos hiatos dos seguintes casos:oo – enjoo, perdoo, magoo, voo, abençoo;ee – creem, deem, leem, releem, veem, preveem O acento circunflexo continua valendo para sinalizar o plural dos verbos ter e vir e seus derivados: eles têm, eles vêm, eles retêm, eles intervêm.
*U tônico, I e U tônicosU tônico
A letra u não será mais acentuada nas sílabas que, qui, gue, gui dos verbos como arguir, redarguir, apaziguar, averiguar, obliquar. Assim, temos apazigue (em vez de apazigúe), argui (em vez de ele argúi), averigue, oblique. Pode-se também acentuar desta forma esses verbos: ele apazígue, averígue, oblíque.I e U tônicosAs palavras paroxítonas que têm i ou u tônicos precedidos por ditongos não serão mais acentuadas. Desta forma, agora escreve-se feiura, baiuca, boiuno, cauila.Essa regra não vale quando se trata de palavras oxítonas; nesses casos, o acento permanece. Assim, continua correto Piauí, teiús, tuiuiú
*Hífen
O hífen desaparece em algumas palavras compostas que perderam a noção de composição, por exemplo: pontapé, girassol, paraquedas, paraquedista.Esta é ainda uma questão controversa, que será resolvida com o lançamento do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, VOLP, desenvolvido pela ABL, a ser lançado no início de 2009.O uso do hífen vai mudar também com alguns prefixos. Consulte a tabela abaixo para saber quando usar corretamente.
*Emprego do e /i
Escreve-se com i, e não com e, antes da sílaba tônica:Adjetivos e substantivos derivados em que entram os sufixos -iano e -iense.Exemplos: acriano (do Acre), camoniano (referente a Camões), torriense (de Torres), açoriano (dos Açores), rosiano (relativo a Guimarães Rosa).

Tudo o que hoje preciso realmente saber,sobre como viver,o que fazer e como ser,eu aprendi no jardim de infância!

A sabedoria não se encontrava num topo de um curso de pós-graduação, mas no montinho de areia da escola de todo dia.
Estas são as coisas que aprendi lá:
-Compartilhe tudo.
-Jogue dentro da regra.
-Não bata nos outros.
-Coloque as coisas de volta onde pegou.
-Arrume sua bagunça.
-Não pegue nas coisas do outro.
-Peça desculpas quando machucar alguém.
-Lave s mãos antes de comer.
-Dê descarga.
-Biscoitinhos quentinhos e leite frio fazem bem.
-Respeite o outro.
-Leve a vida equilibrada:Aprenda um pouco
e pense um pouco
e desenhe
e pinte
e cante
e dance
e pinte
e trabalhe um pouco todos os dias.
-Tire uma soneca às tardes.
-Quando sair, cuidado com os carros, dê a mão e fique junto.
-Repare nas maravilhas da vida.
-Lembre-se da semetinha no copinho plático:a raízes crescem, o caule sobe e ninguém sabe realmente como ou por quê.Mas todos sabem que é assim.
-O peixinho dourado, o hamster, os camundongos brancos e até mesmo a sementinha no copinho plástico,todos morrem.Nós também.
-Lembre-se da cartilha e da primeira palavra que você aprendeu, a maior de todas:OLHE
A regra é de ouro é o amor e higiene básica.
Ecologia e política e igualdade e respeito e vida sadia.
A gente tem que fazer a nossa parte.
Pegue qualquer um desses itens, coloque-o em termos mais adultos e sofisticados e aplique-os à sua vida familiar, ao seu trabalho, a seu governo ou ao seu mundo e verá como ele é verdadeiro, claro e firme.
Pense como o mundo seria melhor se todos nós, no mundo todo, nos lembrássemos do que aprendemos na caixa de areia.Ou se os governos tivessem ,como regra básica, devolver toda as coisas ao lugar em que elas se encontravam, e arrumassem a bagunça ao sair.
E é sempre verdade,não importando a idade: -Ao sair para o mundo é sempre melhor dar as mãos e ficar junto.
Um beijo no coração!!!!(Pedro Bial)_Obrigada amiga anônima que me mandou a autoria...Eu não sabia!

Onde começar?

Mas onde eu devia começar?
O mundo é tão vasto, começarei com meu país,que é o que eu conheço melhor.
Meu país porém é tão grande. Seria melhor eu começar com minha cidade.
Mas minha cidade também é grande.Seria melhor começar com minha rua.
Não: minha casa.
Não minha família.
Não importa,começarei comigo mesmo.
Elie Wiesel(Almas em chamas)
"Quem se rende à tentação do ninho jamais aprende a voar".

'Quem nã ousa crescer naida profissional ficará seperado porqu nõ foi capaz de dialogar com as mudaças queo tempo ofereceu."


"Tenhamos asas maiores do que nossos ninhos,para podermos abraçar o horizonte."

O mundinho infantil!

Brincar é um direitode todas as crianças no mundo inteiro,cada criança deve estar em condições de aproveitar as oportunidades educativas que satisfaçam as necessidades básicas de aprendizagem.
Os jogos constituíram sempre uma forma de atividade do ser humano tanto no sentido de educar e recrear ao mesmo tempo.Essa relação de jogos e educação são bem antigas.
O brincar ajuda a criança no desenvolvimento físico,afetivo, intelectual e social,pois, através de atividades lúdicas,a criança forma conceitos,relaciona ideias,estabelece relações lógicas, desenvolve a expressão oral e corporal, reforça habilidades sociais,reduz agrassividade, se integra na sociedade e constrói seu próprio conhecimento.
As crianças que passam muito tempo na frente da tv,se tornam vítimas ingênuas dos apelos da publicidade e desorientam os pais com exigências sutis,declaradas e até abusadas.
Um bom brinquedo estimula a imaginação e desenvolve a criatividade.
Pense nisso!!!